Fotografia de Guilherme Gaensly - Hospital De Isolamento de São Paulo, Atual Emilio Ribas

Código: G2QCFWMJW
R$ 1.950,00
até 3x de R$ 650,00 sem juros
Comprar Estoque: Disponível
    • 1x de R$ 1.950,00 sem juros
    • 2x de R$ 975,00 sem juros
    • 3x de R$ 650,00 sem juros
    • 4x de R$ 524,47
    • 5x de R$ 425,66
    • 6x de R$ 359,84
    • 7x de R$ 312,86
    • 8x de R$ 277,67
    • 9x de R$ 250,32
    • 10x de R$ 228,48
    • 11x de R$ 210,63
    • 12x de R$ 195,78
* Este prazo de entrega está considerando a disponibilidade do produto + prazo de entrega.

O Produto
Fotografia de Guilherme Gaensly, original da primeira década do século XX, mostra uma área do Hospital de Isolamento de São Paulo - atual Emilio Ribas - com o Corpo Médico, Pharmaceutico e Enfermeiras.
Em muito bom estado de conservação, a foto é apresentada sobre suporte de papel acartonado de alta gramatura onde se vê a assinatura em alto relevo do fotógrafo no canto inferior esquerdo, conforme imagem acima.
As bordas do suporte acartonado apresenta vincos e houve rasgo no canto inferior direito, mas nada que prejudique a imagem ou a assinatura.


Medidas: Somente a fotografia - 30x24cm
Suporte acartonado - 46x35cm

A imagem, revelada com solução a base de albumina (clara de ovo), foi registrada por Guilherme Gaensly, fotógrafo suíço-brasileiro. Dedicou-se à fotografia de retrato e à documentação inicialmente na Bahia até meados da década de 1880 e posteriormente em São Paulo, onde foi um dos mais ativos criadores de cartões-postais da cidade entre 1895 e 1925.


Um pouco da História do Hospital de Isolamento:

Iniciou suas atividades em 1880 como Hospital dos Variolosos, criado por iniciativa da Câmara de Vereadores de São Paulo, após um surto epidêmico de varíola ocorrido em 1878. A construção do hospital era a resposta a um problema que se arrastava por décadas. No início de suas atividades, o estabelecimento contava com apenas um pavilhão e atendia exclusivamente doentes de varíola, com o objetivo de proteger as pessoas saudáveis por meio do isolamento e da quarentena dos atingidos pela doença.

É considerado o primeiro hospital construído com recursos e por iniciativa do poder público em São Paulo, em um momento de crescimento urbano e de surtos epidêmicos. O local escolhido para a construção foi a antiga Estrada do Araçá, que então ficava distante dos núcleos populacionais. Foi construído entre os anos de 1876 e 1880, sendo o projeto de Ignácio Wallace da Gama Cochrane. Nos primeiros anos, o hospital era acionado apenas em momentos de surtos e epidemias.

Com a República, o Estado de São Paulo criou o Serviço Sanitário, que assumiu a gestão do estabelecimento em 1894. A partir daí, suas funções e estrutura são ampliadas, transformando-se no Hospital de Isolamento do Estado de São Paulo, para atender a população atingida pelas epidemias e pelas doenças transmissíveis. Essa nova atuação já trazia consigo influências de algumas das novas concepções da área médica, articulada com outras instituições recém-criadas, como o Instituto Bacteriológico, construído ao lado, o Instituto Soroterápico Butantan, o Desinfectório Central.

O hospital tornou-se referência em doenças contagiosas e os novos pavilhões continuaram a trabalhar com a lógica do isolamento, ventilação e iluminação em todos os cômodos, com a finalidade de impedir a propagação de miasmas compreendidos como propagadores de doenças. Havia um cordão de isolamento dos doentes para manter os funcionários afastados: só podiam avançar o cordão o médico encarregado, o diretor do hospital e a enfermeira-chefe.

O Pavilhão 1 era dedicado à difteria, o Pavilhão dois era divido em duas alas: uma para a febre tifóide e outra para a febre amarela. Cada ala possuía uma enfermaria para homens e outra para mulheres, com anexos para os casos graves e para os pacientes agonizantes. O Pavilhão 3 era destinado à escarlatina, o Pavilhão 4 aos pacientes de varíola, que diminuíram muito em função da vacinação obrigatória, sendo utilizado também para pacientes com peste bubônica. Já o Pavilhão 5 era o de “classe”, destinado às pessoas de posse que tivessem que ser acompanhadas, com possibilidade de acomodação paga para a família inteira.

No próprio hospital havia um desinfectório, um necrotério e um forno de incineração. Os pacientes, em sua maioria, eram transportados pela equipe do Desinfectório Central, que ia até a residência dos doentes e os removia para atendimento no hospital. Somente os funcionários do Desinfectório e os médicos poderiam ter algum contato com os doentes, que deveriam ser, assim que notificados, isolados dos demais. As roupas, os objetos e até as casas dos doentes eram desinfectados, fumigados e ou incinerados.

Foi no Hospital de Isolamento que aconteceu, em 1902, a experiência que confirmaria para a comunidade científica brasileira que a febre amarela era transmitida por um mosquito – um dos fatos mais importantes da história da saúde no Brasil. A experiência foi conduzida pelos médicos Emílio Ribas, diretor do Serviço Sanitário de São Paulo, e por Adolfo Lutz, diretor do Instituto Bacteriológico, com base nas teorias defendidas em Havana (Cuba), um ano antes.

Atentos às discussões no cenário internacional e com larga experiência no combate à febre amarela no Brasil, os médicos organizaram o experimento da seguinte maneira: submeteram-se às picadas de mosquitos infectados; mantiveram três imigrantes italianos voluntários, recém-chegados ao Brasil, em um quarto vedado, com estufa para que permanecesse quente, em contato com lençóis e roupas manchadas por sangue e vômito de doentes infectados por febre amarela, por um período de 10 dias. A confirmação de que apenas o mosquito transmitia a doença revolucionou a forma de profilaxia da febre amarela, sendo, a partir de então, o combate ao mosquito uma prioridade para os serviços de desinfecção. A ação foi rapidamente adotada pelos serviços públicos de saúde.

Em 1932, o Hospital de Isolamento passou a se chamar Hospital Emílio Ribas, em homenagem ao Diretor do Serviço Sanitário do Estado entre os anos de 1892 e 1917. Em 1962, é inaugurado um novo edifício com nove pavimentos para ampliação dos leitos. Nos anos seguintes, o Emílio Ribas teve um papel determinante na identificação e no acompanhamento de doenças infectocontagiosas em todo o país. Acompanhou e atendeu o surto de meningite em 1973, com a inauguração de uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI), e nos anos de 1980 e 1990 tornou-se um centro de referência para o atendimento de portadores de HIV, consolidando-se com uma unidade de ponta para a prevenção e controle de epidemias de doenças infectocontagiosas.

Fonte: Memória Saúde


INFORMAÇÕES IMPORTANTES

CERTIFICADO DE BOA ORIGEM

Para garantir a qualidade e procedência de nossos produtos, os mesmos são adquiridos em galerias, leilões de arte e acervos de colecionadores de nossa inteira confiança. Por isso, todos os nossos produtos são acompanhados por um Certificado de Boa Origem emitido pela galeria Lenach.

Observação: Por se tratar de artes e antiguidades provenientes de leilões, galerias de arte ou coleções particulares, os produtos comercializados pela Lenach são usados e vendidos NE - NO ESTADO. A Lenach se compromete a fornecer informações completas (descrição e imagens), retratando inclusive possíveis imperfeições presentes nas peças. Contudo, poderá haver pequena divergência quanto a cor (principalmente por conta do monitor em que se visualiza a imagem), tamanho e espessura, por exemplo. 

COMPRANDO MAIS DE UMA PEÇA

Quando houver interesse em mais de uma peça e elas tiverem medidas e pesos muito diversos (por exemplo: uma escultura de bronze de 5 kg e um quadro), por questão de segurança recomendamos fortemente que sejam adquiridos individualmente (em compras separadas), sendo embalados e enviados separadamente com uma cobrança de de frete para cada um. 

Em caso de dúvida, não hesite em nos contatar!


Veja alguns comentários de clientes sobre suas experiências de compra em nosso eshop no Mercado Livre!

"Vendedor super eficiente!! Produto como descrito e em excelente estado. O vendedor me ajudou quando pedi rapidez na entrega. Excelente! Tania (LOONEYLUNA) - 16/04/19

"Tudo certo, já estou com o produto. Obrigado a todos." João (JOOMACHADO579) - 14/04/19

"Belíssima aquisição. Perfeita atenção e comunicação com o vendedor. Muito obrigado!" Tiago (TIAGOGRANDEZA) - 05/04/19

"Excelente vendedor e produto, honesto, rápido e embalagem perfeita. Recomendadíssimo." Nilo (NFTAVARES) - 27/03/19

"Mercadoria entregue segundo o combinado. o processo saiu de acordo com o combinado. Satisfeito com a aquisição. elogio ao vendedor." Guillherme (GUILLHERMEGREGORIO) - 19/02/19

"Excelentes! O atendimento, o cuidado no embalá-lo e o produto em si. Recomendo!" Ricardo (RGFISHER) - 20/01/19

"O vendedor foi extremamente atencioso e a peça adquirida chegou muito bem embalada em perfeito estado." Thomas (TKOSFELD) - 16/01/19

"Excelente aquisição. Recomendo uma olhada geral no site, que é riquíssimo e com preços muito honestos." Edrisi (ISIUS) - 28/12/18

"Ótima vendedora, atenciosa e atende rapidamente as perguntas. Produto chegou muito rápido. Obrigada pela atenção" Sonia (SONIAVERCESEGARNIER) - 14/12/18

"Excelente! Com certeza comprarei mais peças!!" Camila (CAMILALISTONI) - 20/11/18

R$ 1.950,00
até 3x de R$ 650,00 sem juros
Comprar Estoque: Disponível
Sobre a loja

Quadros, pinturas, esculturas, gravuras, fotografias e objetos de design e decoração, antigos e contemporâneos, assinados por artistas do Brasil e do exterior.

Pague com
  • PagSeguro
Selos

Lenach - CNPJ: 17.368.712/0001-60 © Todos os direitos reservados. 2021